IV Meia Maratona da Areia

Os meus preparativos para esta prova começaram uns dias antes, aproveitei a componente solidária que a prova ia ter com a entrega de donativos de roupa / comida à Santa Casa da Misericórdia de Almada e fiz uma limpeza à roupa que tinha cá por casa. O resultado foram 3 sacos que foram entregues no dia da prova quando levantei o dorsal.

Pelas previsões do tempo não esperava o sol que estava no dia da prova e estupidamente nem tinha boné no carro nem levei protector solar. Ora, se eu fosse um gajo com uma farta cabeleira não seria um problema, mas a maior parte do meu cabelo já la vai, e os escaldões na cabeça são quase sempre uma realidade quando vou correr em dias de muito sol. 1ª Solução: tinha uma farmácia à frente do sitio onde estacionei por isso bora lá comprar um protector solar e resolve-se o problema. O papel na porta com o horário dizia “Domingos 09:00 – xx:xx”. Eram 09:00 porta fechada. 09:05 porta fechada, 09:15 porta ainda fechada, mas a 15 minutos do inicio da prova não podia esperar mais. Quando volto para o carro vejo as pessoas do carro ao lado a por protector e pronto aproveitei para pedir um bocado “emprestado” para evitares males maiores, só então reparei que uma das pessoas era um antigo colega de trabalho que também ia participar.

O aquecimento foi feito a caminho da partida e quando lá cheguei só tive tempo de ir para a zona do pórtico ouvir a contagem decrescente e começar a correr. Correr talvez não seja a melhor palavra já que a prova começa numa zona de areia solta e correr neste tipo de areia não é fácil por isso entre corrida e saltos chegámos finalmente à “auto-estrada” que nos ia acompanhar toda a prova.

Para quem não sabe esta prova é feita num dia de maré vazia o que faz com que haja uma largura de praia enorme com piso duro e liso onde se pode correr na perfeição, a ajudar no dia da prova estava um tempo perfeito, temperatura boa e não havia vento nenhum. Não se podiam pedir melhores condições para esta prova.

Não sei bem como relatar esta prova, de um modo geral achei-a dura, não só fisicamente mas também psicologicamente é que como o percurso é sempre a direito cada quilómetro parecem 3 ou 4.

Inicio -> Km 5

Deixei-me ficar na cauda do pelotão e fui vendo a praia a ficar preenchida com imensa gente a correr, uma imagem fantástica. Os primeiros 2 Km foram custosos, sentia as pernas pesadas e comecei logo a pensar que o melhor era fazer só os 10 Km.

À medida que os quilómetros passavam comecei a ficar melhor e cheguei ao Km5 onde estava o amigo José Magro na organização do 1º abastecimento. Ao contrário de todas as outras provas em que participei até hoje nesta decidi parar no abastecimento e beber lá a água. Água bebida e agradecimento feito ao pessoal da organização e toca a seguir.

Km5 – Km 10

Comecei a correr e consegui durante 2 Km ir a um ritmo um bocado mais rápido (6:30 é rápido não é?) Já tinha deixado o retorno da prova dos 10Km para trás e não havia volta a dar, ia fazer os 21Km. Algures entre estes dois abastecimentos comecei a ver os primeiros atletas a voltarem para trás.

O dia continuava óptimo, um sol bastante agradável, o mar mesmo ali ao lado, estava perfeito para correr e foi o que fiz até ao abastecimento seguinte.

Novo abastecimento mais uma paragem, e novamente grande simpatia de todos os elementos do Mundo da Corrida que lá estavam, bebi novamente água e inovei comendo um bocado de laranja que soube mesmo bem.

Km 10 – Km15

Nesta altura a areia estava muito mais pisada o que fazia com que custasse um bocadinho mais correr, a juntar a isso o tal factor psicológico de se olhar para a frente e parecer que nunca mais chegamos complicavam um bocado, mas consegui chegar ao ponto de retorno onde surge o pensamento “Pronto já só falta regressar até se vê os prédios da costa lá ao fundo”.

Nova passagem pelo abastecimento dos 10 Km mas agora no sentido contrário e nova paragem para beber água. Claro que nesta altura o ritmo já ia bem mais devagar e ao Km 14 faço o primeiro bocado de prova a andar, estes bocados iriam tornar-se mais constantes até ao fim da prova.

No abastecimento do Km 15 aproveitei para tomar o gel que levava comigo e para estar uns segundos a descansar enquanto bebia àgua.

Km 15 – Meta

Pouco depois do Km 15 estava o abastecimento inicial dos 5Km e claro que aproveitei para nova paragem. Sim eu sei que isto era uma prova de atletismo, mas os abastecimentos estavam ali pk não parar para beber água e conversar um bocado. Depois de um bocadinho à conversa com o sempre animado José Magro lá segui viagem.

Nesta altura já não conseguia ir muito tempo a correr e fazia mais ou menos 900metros de corrida 100 a andar, foi assim que cheguei aos últimos 2 onde decidi a partir dali correr até à meta.

Agora que estávamos a voltar para trás houve algo que achei interessante, como a prova era vai e vem, as marcações dos Km no regresso serviam de contagem decrescente, do género “só faltam7, só faltam 6”. Para mim foi uma motivação extra e foi com este pensamento que fui Km a Km até à chegada.

Não sei bem como fiz os últimos 100 metros em areia solta, mas consegui correr e atravessar a meta com um sorriso e feliz.

A juntar ao excelente dia providenciado pelo amigo São Pedro, tenho de dar os parabéns e agradecer à Associação o Mundo da Corrida por proporcionarem uma excelente prova em todos os aspectos, tudo correu de forma impecável e sempre com a boa disposição de todos os envolvidos na organização, diria que é um exemplo para muitas outras provas por ai.

Da minha parte quero voltar para o ano, vale a pena participar em provas com este ambiente.

Ah uma imagem final para o prémio oferecido aos atletas no final:

Dados Garmin

  • Distancia – 21.23  Km
  • Tempo – 02:31:26
  • Ritmo Médio – 07:08 min/km
  • BPM Médio –169
  • Calorias – 1849

——————————————————————–

Tracking: Tracking IV Meia Maratona da Areia

Classificação Oficial: 277 / 284 (Tempo Oficial 02:31:44)

Classificações: Classificação IV Meia Maratona da Areia

Fotos: 

6 thoughts on “IV Meia Maratona da Areia

  1. Olá, João.
    Excelente estreia na meia da areia, digo excelente porque a primeira vez na areia é mesmo para parar e apreciar, o tempo é o que menos importa. Grande relato, certamente que conseguirás convencer mais alguém a juntar-se a ti para fazer a prova para o ano, pois todos sabemos que é uma prova dura mas ao mesmo tempo única e fantástica.

    grande abraço
    Filipe Fidalgo

  2. João, os meus parabéns pela tua prestação nessa prova. Correr na areia não é fácil. É certo que grande parte do trajecto terá sido feita sobre areia bem compactada, mas houve partes onde cada passada já terá sido feita com mais dificuldade por causa da areia revolvida. A somar a isso a tal questão da monotonia e da falta de referências que cortem a etapa principal em etapas mais pequenas. Uma coisa é andar às voltas nas ruas da Baixa, outra, é fazer a mesma distância ao longo de uma recta. No regresso tiu vias os prédios da Caparica, só que estes, provavelmente, pareciam que estavam sempre à mesma distância🙂 E com isto penso: o que será fazer aquela corrida de 40Km ao longo da praia até Tróia

  3. Parabéns João! Dá para ver pela tua cara à chegada à meta que foi uma corrida feliz! E isso é que importa!

    Um beijinho e continuação de bons treinos e boas provas

  4. Obrigado a todos, custou mas foi realmente um prazer participar nesta prova, e vou tentar estar novamente presente para o Ano.

    Aliás deixo aqui uma espécie de convite: apareçam para o ano, vão ver que vale a pena.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s