6ª Corrida do Guincho – Entre a Serra e o Mar

E está feita a estreia no Trail, correu bastante bem, ainda torci para lá os pés algumas vezes mas aparentemente sem problemas de maior (até agora).

Desta vez não tive de levar carro já que consegui convencer os meus pais a acordarem cedo, darem-me boleia e tirar umas fotos ao longo da prova, por isso foi só aguardar pela chegada do João Pires que também ia participar e lá partimos calmamente para Janes onde esta a partida e meta.

Chegados lá fomos levantar o jornal e ficámos na conversa com o Eduardo e o José Magro até ser dado o tiro de partida

 Eh pah isto é “muita” giro -> Km 0 até Km 4

Os primeiros metros eram feitos em alcatrão mas isso durou pouco, primeiro passámos para empedrado e finalmente chegámos à terra, tudo isto era uma experiência nova e entre subidas e descidas lá fomos correndo ou saltando. Tirando o óbvio do piso ser diferente aqui notei uma grande diferença em relação a provas de estrada – é preciso estar muito mais atento a onde se mete os pés. Havia imensas pedras soltas e tinhamos de ir com imenso cuidado.

Por entre estradas de terra e túneis estranhos começámos a chegar junto do mar. Estava a contar com cerca de 500 metros no areal do Guincho mas este ano o percurso não ia por ai por isso depois de atravessar a estrada nacional entrámos num tipo de piso diferente do que tínhamos apanhado até então

Mau começo a ficar cansado -> Km 4 até Km 6

Depois do sobe e desce em estradas largas de terra começamos a andar aos “s” nas falésias?? (não sei o nome técnico daquela zona) junto ao guincho. O piso aqui até era relativamente plano, mas ao contrário da estrada plano é só porque não sobe, o plano aqui era a direito mas os pés andavam sempre tortos, aos saltinhos entre buracos e pedras e em alguns sítios vegetação mais densa

Com tudo isto começava a sentir-me um bocado desgastado mas ainda conseguia continuar a correr, não sabia se ia ser assim até ao fim, mas não era uma preocupação no momento. Por volta do Km 5 passámos junto do forte onde estavam os meus pais a tirar fotos e onde aproveitei para deixar as mangas e telemóvel que tinha levado comigo e que nesta altura já so atrapalhavam (obrigado, mãe, obrigado pai)

Já não da mais, tenho de andar – Km 6 até Km 8

Por volta do Km 6 tinha acabado a descida, dali para a frente era sempre a subir e a minha falta de preparação fez questão de se mostrar em grande estilo, já não dava mais as pernas queixavam-se imenso, e comecei na fase do andar / correr. Ia aproveitando para olhar à volta e infelizmente já não tinha o telemóvel comigo a paisagem era fantástica – mais uma diferença em relação à estrada, não me lembro de participar em nenhuma prova de estrada e dizer “a paisagem era fantástica”.

Por todo o percurso via-se gente espalhada a correr ou a andar, a imagem de cima é uma das que guardo desta prova, só por isto vale a pena participar.

Nesta parte do percurso ainda deu tempo para ser apanhado numa foto que a minha querida namorada descreveu como algo do tipo “Abominável Homem das Neves fotografado no Guincho”

AH AH AH estão a gozar não pode ser por ali – Km 8 até Km 9.5

Pois é, não sei bem como descrever esta parte da corrida, ou melhor, caminhada já que correr ali estava fora de questão. Ora bem estão a ver uma parede? Ok agora imaginem a parede ligeiramente inclinada, mas só um bocadinho. Resumindo foi isso que encontrei ao Km8. Ok posso estar a exagerar um bocado mas nunca subi nada tão inclinado na vida e não vi ninguém a conseguir subir aquilo a correr (desculpem senhores dos primeiros lugares mas vocês iam demasiado à frente para eu ver).

Foi um sacrifício enorme subir aquilo, até a andar custava e arrastei-me a grande custo até lá acima. Chegado ao cimo, parei um bocadinho, olhei a volta e imediatamente esqueci a subida, a vista daquele ponto era impressionante e espelhava o nome da corrida “Entre a Serra e o Mar”. De um lado o mar e cascais lá ao fundo, do outro lado a Serra de Sintra, era realmente impressionante e se todos os trails forem assim quero continuar a participar.

Sem palavras – Km 9.5 até Km 10.5

Não sei como descrever este bocado do percurso, gostava de ter comigo uma máquina para filma ou fotografar. Quando começámos a descer saímos das estradas de terra e entrámos no meio da vegetação, o caminho mal dava para uma pessoa e estávamos totalmente rodeados de plantas, árvores, raízes e pedras, e do lado esquerdo um pequeno riacho. Acho que foi o bocado de prova que mais gostei de fazer. Como disse não sei como descrever estes 1000 metros, posso usar apenas uma palavra – Lindo.

Está quase Km 10.5 até à Meta

Saídos do meio da vegetação regressámos às estradas largas de terra e foi praticamente assim até ao final, era já quase tudo a descer e voltei a correr para parar só na meta onde já estava o José Magro e o João Pires, que tinha seguido sozinho no muro dos 8Km, a aplaudir.

Conclusão

Para primeira experiência no trail o balanço é muito positivo. Foi uma prova diferente, um percurso lindo e com paisagens fantásticas que fazem esquecer as dores nas pernas e as dificuldades que senti para fazer algumas partes do percurso.

Julgo que a grande diferença em relação às provas de estrada é realmente o que está a nossa volta, os percursos são mais duros, a preparação tem de ser outra, mas no fim compensa. Já respeitava e admirava quem faz aquelas provas de trail de 50 / 60 / 100Km ou mais (ultra trail du mont blanc), mas depois de ter feito estes míseros 12Km e experimentar o tipo de percurso que têm, passei a admirar ainda mais.

Em relação à organização só não gostei de ter de entregar o dorsal no fim. Podia ir lá buscar outra vez mas tinha de esperar por todos os atletas e classificações. Para mim que gosto de coleccionar os dorsais das provas em que participo não gostei nada de ter de o deixar la. Tirando este ponto não tenho nada a apontar, circuito bem marcado com fitas, 2 abastecimentos, pessoal da organização espalhados ao longo de todo o percurso e sempre com palavras simpáticas e de incentivo quando passava por eles.

Prova altamente recomendada para quem se quer estrear no Trail.

Dados Garmin

  • Distancia – 11.60 Km (O GPS só sincronizou com os satélites uns 100 metros depois do inicio)
  • Tempo – 1:38:28
  • Ritmo Médio – 08:29
  • BPM Médio – 167

——————————————————————–

Tracking: Tracking Corrida do Guincho 2012

Classificação Oficial: 428 / 453 ( Tempo Oficial 1:38:51)

Classificações: Resultados_Guincho 2012 (Ficheiro Excel)

Fotos: 

9 thoughts on “6ª Corrida do Guincho – Entre a Serra e o Mar

  1. Olá. Também lá fui e a minha parte favorita do percurso também foi aquela no meio do mato, quase no final. Esta é mesmo daquelas que dá vontade de lá voltar, apesar de ser dura (ou, quem sabe, por ser dura :p).

  2. Obrigado a todos,

    Estes 12Km são realmente muito mais duros que 12Km em estrada, mas para quem nunca fez trail parece-me a melhor forma de experimentar é que se 12Km são assim nem imagino como serão os mini trails de 20 km que há por ai.

  3. O ritmo de trail é totalmente diferente da corrida de estrada. As provas mais longas de trail são exactamente iguais a esta, só que demoram mais tempo. Se estas cansado descansas e depois recomeças, coisa que na estrada não acontece. Parabéns pela estreia!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s